segunda-feira, 6 de julho de 2009

Outros balcões, no topo da Terra

É minha obrigação avisar à distinta freguesia o porquê do nosso boteco virtual estar desatualizado há tanto tempo.
Estou em Helsinki, capital da Finlândia, a trabalho. Fico por aqui até sábado, quando sigo para a Suécia, e depois Dinamarca e Noruega.
Este giro pela Europa vai até 11 de agosto. A partir do dia 12 do mês que vem voltarei a abrir diariamente as portas de aço da nossa birosca imaginária.
Por enquanto aqui em Helsinki não peguei bonde errado.
À esquerda da foto ao lado, fica a Catedral Luterana que não está na imagem. Claro que passei batido pelo templo e virei na primeira à direita à procura de colegas de copo e de cruz neste lendário norte europeu.

Não bebi ainda - garanto - uma minúscula gota de álcool em Helsinki. Mas vou - também garanto - fazê-lo. Por hora, apenas trabalho e faço o reconhecimento do terreno (quer dizer, dos balcões). Deixem meu valente fígado aclimatar-se neste fuso horário. Estamos aqui seis horas à frente do horário brasileiro. Signfica que enquanto voce pensa no que colocar no prato, já poderei tomar a direção dos copos.
Domingo o serviço empurrou-me para o centro antigo de Helsinki. Felizmente, em plena 9h da manhã eu já havia encontrado um bebaço na estação Sörnäinen do metrô.
Minutos depois, no ponto do bonde outro amigo da garrafa carregava uma embalagem com seis cervejas. Uma delas espatifou-se no chão; vocês precisam ver o desconsolo do homem a contemplar o precioso líquido infiltrando-se nas pedras do centro histórico de Helsinki.
Na volta para a estação
Puotila do metrô, bairro onde estou “morando”, uma bela filha da Finlândia, robustecida pela gordura consumida no longo inverno, viajava ao meu lado exalando dose industrial de álcool.
Os botecos daqui fecham às 22h. Por isto os discípulos de Baco levam muita bebida para casa, ou andam com ela a tiracolo.
Sendo assim, caros colegas de mesas e balcões, mesmo a 12 mil quilômetros de Taboão da Serra, e atolado em trabalho, não tenho por que não me sentir em casa.
No próximo sábado embarco em um navio da Stena Line, que levará 15 horas para cruzar o mar Báltico até Stockholm. Tempo suficiente para eu mandar notícias de como estão indo as coisas do lado de cá e acima do mapa-mundi.

5 comentários:

Eduardo disse...

David, eu acho que vc tomou umas antes de postar, até porque no seu marcador vc digitou "um tasboanense"... típico de quem já tomou uma Lapin Kulta antes de começar a digitar... Ah, se for até Estocolmo, retribua a vista a prefeita Helene Knuttson e vá tomar um chocolate quente no gabinete dela.
abs
ET

David da Silva disse...

Caro Edu Toledo. Estou, sim, ainda sem dar bicada alguma por aqui. Mas fique calmo: não saio de Helsinki sem uns bons tragos.
Já arrumei o marcador. E vc também entornou um copo antes de sugerir a visita àquela dona, pois ela não é prefeita de Stokcholm. A muié manda é em Sundbyberg...
Abração, e até logo mais!

Anônimo disse...

Grande David,

Espero que esteja curtindo o "passeio" e que esteja se deliciando junto aos balcões europeus, em quanto isso aqui vi esta matéria e lembrei dos meus bons momentos.

Abraços

M.Assunção

http://noticias.terra.com.br/educacao/vocesabia/interna/0,,OI3867707-EI8399,00.html

David da Silva disse...

Meu considerado Assunção. De fato esta viagem está sendo muito boa tanto em termos de trabalho, quanto em aprendizado por estes países. Amanhã cedo embarco pra Dinamarca, e uma semana depois encerro o giro na Noruega. Teremos muito a conversar no meu retorno.
Quanto ao gambá, deixo a lenda de lado e aceito mais esta explicação científica: http://www.apromac.org.br/GAMBA.htm
Um forte abraço, obrigado pela lembrança e visita a este humilde boteco imaginário. Minhas recomendações ao Marcão.
Até logo mais.

Vera disse...

Olá David,boa noite!
Que bacana saber que voce esta se enchendo de cultura para abrilhantar o blog:Bar & Lanches Taboão...eu acesso sempre e adoroooo!!!É isso aí...DIVIRTA-SE.
Um abraço
Vera Jorge