quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Esquerda, direita... c'est tout la même merde

Na época do decepcionante FHC, pra galera do PT falta de luz era “apagão”.
Nestes toscos tempos do Lula, falta de luz deixou de ser apagão: é
"incidente energético".
E os tucanos de rabo preso e sujo (vide mensalão mineiro, jatinho do Jereissati, o “vale” do Virgílio) não têm moral nem coragem cívica pra mostrar o veneno que lubrifica a língua do grupo hoje no “pudê”. A linguagem bisonha de Lula e seus asseclas me remetem ao discurso oficial nazista.
O cientista Victor Klemperer analisou o linguajar dos discípulos de Hitler entre 1933 e 1945. Eles manipulavam o idioma alemão com a finalidade de impor sua mentalidade. A nova linguagem foi tão bem bolada que a maior parte da população passou a empregá-la.
No Brasil pós-2003, qualquer liderzinho aldeota e idiota passou a repetir as banalidades verbais do chefe Lula. “Nunca antes”, “pela primeira vez na história” "neschte país" etc etc estão incorporados ao vocabulário cotidiano de políticos e até jornalistas financiados pelo lulismo. Tudo que Lula faz é “mais do que fizeram em 500 anos”. O próprio mandatário ao negar o “apagão” mente que seu “guvêrnu” fez pela energia elétrica “mais de tudo que foi feito em 120 anos”...

Socialistas e Nazistas
Não à toa o partido de Hitler também tinha o termo “socialista” acoplado à sua denominação. E se auto-intitulava defensor dos trabalhadores (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei – Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores). Tudo que Hitler dizia ou fazia era saudado como inédito. Vejamos o que disse o doutor Victor Klemperer sobre o discurso nazista: “Qualquer insignificância que servisse ao regime passava a ser um ato ‘histórico’. Qualquer discurso do Führer se tornava ‘histórico’, mesmo que ele repetisse cem vezes a mesma coisa.”

Tal e qual aqui pras nossas bandas, nénão?

4 comentários:

P.Nathan disse...

Em geral, considero as postagens desse blog muito boas. Entretanto, considero que esta última foi infeliz, pois nivela por baixo movimentos tão distintos como o Nazismo e o Socialismo a partir de uma declaração tosca do Lula (em que essa declaração representa os princípios do socialismo?).

Além do mais, o fato de o partido nazista se chamar nacional socialista não justifica essa identidade (caso contrário, esse regime não teria perseguido e torturado comunistas e socialistas).
É preciso lembrar de que o movimento socialista na Alemanha de então tinha grande influência e que o partido dos nazistas surge logo após a Revolução Russa de 1917; o nome nacional-socialista tinha por finalidade disputar as fileiras da classe trabalhadora alemã (mas nunca teve por finalidade a socialização dos meios de produção e nem a tomada do poder político por parte do proletariado).

Em suma, o objetivo de dizer tudo isso é a de sugerir que você tenha mais cuidado no sentido de recuperar a história antes de fazer afirmações como essa. Ainda que você tenha críticas à esquerda e ao movimento socialista, esse não foi argumento válido.

Parabéns pelo blog.

Abraços,
Pedro.

David da Silva disse...

Meu estimado Pedro Nathan
Não me referí à “embalagem filosófica” nem às metas de socialistas e/ou nazistas. O papo do post é a manipulação da galera por meio da comunicação.
Goebbels montou a máquina de propaganda nazista inspirado na máquina de propaganda dos bolcheviques. Lênin, por sua vez, montou a estrutura de seu partido diretamente influenciado pela Cia. de Jesus de Ignácio de Loyola.
Aliás, quanto à denominação, Lênin não usou a palavra comunista ou socialista na sua legenda partidária. Se apresentava ao povo russo como “social-democrata”.
Abraço, e parabéns pela sua cadência no lápis.

Cremilda Estella Teixeira disse...

Né não , é que o poder endireita a esquerda...

P.Nathan disse...

David,

Agradeço pela publicação do comentário e pela sua resposta.

Acho que agora entendi um pouco melhor sua questão, apesar de ainda considerar insuficiente para igualar duas ideologias e regimes tão antagônicos entre si(e não estou desconsiderando as atrocidades cometidas no regime soviético - não é essa a questão), somente a partir das semelhanças no modo de fazer propaganda política (mesmo nesse sentido, há muita diferença, inclusive de interesses políticos e econômicos aos quais cada um deles atendia - e não apenas de embalagem filosófica). Repare bem: não nego também que em muitos momentos tenham ocorrido ações manipulatórias de propaganda por parte do Estado russo, mas insisto que isso é apenas uma peça a ser avaliada dentro de um cojunto (inclusive para que seja possível fazer a crítica a esses erros históricos). São formas de organização e projetos de sociedade distintos, seja na política, na economia, além de outras esferas. Não dá pra colocar tudo no mesmo saco (muito menos em relação à esquerda e à direita em geral - embora seja sempre a solução mais fácil).

Em relação ao nome social-democrata, eram assim chamados os partidos operários do final do sec. XIX e começo do XX. Era a forma de organização da esquerda da época Não significava a mesma coisa que entendemos hoje em dia. Dizer social-democrata era dizer socialista. Os comunistas deixam de ser social-democratas quando as maiorias parlamentares desses partidos resolvem apoiar a ida dos trabalhadores de seus países à primeira guerra mundial em defesa dos "interesses nacionais". Após esse momento, nem mesmo Lênin ou qualquer outro comunista se denomina mais como social-democrata.

Enfim, creio que já deixei bem explícita minha opinião e prometo não prolongar mais esse assunto.

Obrigado pela visita ao meu blog. Seja sempre bem-vindo.

Abraços,
Pedro.