segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Atriz de Taboão da Serra integra filme indicado ao Oscar

Naruna Costa - Foto: Divulgação
Quem escreve algo sobre a atriz Naruna Costa não consegue fugir do adjetivo superlativo absoluto. Extremamente capaz, a artista nascida em Taboão da Serra atua em teatro, televisão e cinema, e é também cantora e compositora. Estreou dois filmes em rede nacional neste ano de 2014 – Causa e Efeito, lançado em julho (onde faz o papel de “Madalena”), e antes dele, Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, estreado em abril. Nesse filme, Naruna Costa interpreta a personagem “professora Ana”.
Hoje Eu Quero Voltar Sozinho vai representar o Brasil no Oscar-2015 na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. A obra conta a estória de um garoto cego que descobre a sua homossexualidade. É o primeiro longa-metragem do diretor paulistano Daniel Ribeiro, de 31 anos.
Naruna Costa também está com 31 anos. Iniciou sua carreira artística em 1997 na União Teatral Taboão, na época mantida pela Prefeitura de Taboão da Serra. Em 2008 formou-se pela Escola de Arte Dramática da USP (Universidade de São Paulo).
Naruna no cartaz de um de seus filmes
Criada na periferia taboanense, no bairro Freitas Junior, Naruna é co-fundadora do Grupo Teatral Clariô. É a trupe mais premiada de toda a história de Taboão da Serra nas artes cênicas. O grupo está com 9 anos de atividades ininterruptas.

Um sonoro “Êita!”
Quando sua irmã Najara postou no Facebook que Hoje Eu Quero Voltar Sozinho foi escolhido representante brasileiro perante a Academia de Cinema dos EUA, Naruna Costa respondeu com a interjeição “ÊITA!!!”. Talvez ela já soubesse da boa notícia na manhã do último 18 de setembro. Mas é desse modo despojado que Naruna reage às grandes conquistas de sua carreira. Perfeitamente vinculada às suas origens humildes. Sempre tratando colegas de palco e a plateia com afeto, sem afetação.

Palco, telinha e telão
A grande consagração de Naruna Costa nos palcos de teatro veio com as peças Hospital da Gente, de Marcelino Freire, e Urubu Come Carniça e Voa, de Miró da Muribeca, ambos dirigidos por Mário Pazini. Nos dois espetáculos, com prêmio da Cooperativa de Teatro Paulista, Naruna acumulou a função de atriz com a de produtora musical. Também fez a produção musical da peça Sangoma, da Companhia de Arte Negra Capulanas.
Foto: Raphael Valverde
No final de 2012 a artista lançou seu primeiro CD, Girandêra, com seu grupo Clarianas, com Naloana Lima e Martinha Soares. Em agosto de 2013 o trabalho foi relançado no formato DVD. Antes destas gravações, Naruna Costa teve composições suas incluídas no CD Tapa na Nuca, do Grupo Noite Clara; na coletânea Mulheres Periféricas Cantam; na trilha sonora do filme Andaluz, de Guilherme Motta, e no documentário Quilombos Culturais. Ela também canta na trilha sonora composta por Chico César para o filme Sonho de Igacim, de Eliézer Rolim.
Na TV Globo, em 2011, Naruna Costa trabalhou no seriado Força Tarefa (foi a personagem “Sargento Lidiane”) e na novela Insensato Coração, no papel de “Renata”. Ainda na Globo foi a personagem “Dodô” na novela Tempos Modernos, em 2010.
Na TV Brasil, apresentou os programas Resistir é Preciso, de Ricardo Carvalho com direção de Mário Masetti (2013/2014), e Tela Digital – festival de vídeos, em 2009/2011.
Na TV Bandeirantes Naruna Costa interpretou “Suzi” na novela Dance, Dance, Dance, em 2007/2008.
A Televisão Cultura contou com atuações de Naruna Costa no episódio “Macunaíma”, da série Tudo que é Sólido Pode Derreter em 2009; no programa Profissão Professor, ainda em 2009; no Telecurso-Tec em 2007, e no episódio “Caiu o Ministério” do programa Senta Que Lá Vem Comédia, em 2005.
A atriz ainda adolescente. Com colegas da UTT. 
Naruna é a primeira à esquerda, no alto
No cinema, além dos já citados Causa e Efeito e Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, Naruna Costa tem as seguintes atuações:
2013: Amor Em Sampa - direção: Carlos Alberto Riccelli - (personagem Nathália)
2013: Mundo Deserto de Almas Negras - direção: Ruy Veridiano - (Débora)
2012: curta-metragem Pré-Ocupação, de David Alves e Alisson Paz - (Helena)
2011: Telefilme Andaluz - dir. Guilherme Motta - (Cecília Andaluz)
2007: Cigano - curta dirigido por Eduardo Mattos - (Joaquina)
2006: Falsa Loura - Dir. Carlos Heinchenbach - (Fátima)
2005: O Magnata - Dir. Jonny Araújo

Naruna em uma sessão de filmagens
Trajetória que promete
Se depender dos números que amealhou no primeiro trecho de sua caminhada, o filme Hoje Eu Quero Voltar Sozinho tem tudo para ganhar o cenário internacional. Teve sua primeira exibição em fevereiro passado no Festival de Berlim, na Alemanha, de onde voltou com o prêmio Teddy, e a segunda colocação na preferência do público na mostra Panorama, disputando com 36 filmes de 29 países. É o único representante do Brasil no Festival Internacional de Cinema de Cartagena das Índias, na Colômbia, um dos eventos mais antigos deste gênero na América Latina. Está vendido para distribuidoras de cinemas em 15 países.
No Brasil, estreou no último 10 de abril em apenas 37 cinemas. Já no primeiro final de semana levou mais de 30 mil pessoas às salas de exibição. Na segunda semana superou 100 mil pagantes. No final de julho já havia batido a marca de 190 mil expectadores, tendo arrecadado R$ 2,3 milhões nas bilheterias.
Caso seja eleito melhor filme estrangeiro em Hollywood, o cobiçado Oscar será entregue em 22 de fevereiro de 2015.
Dois dias antes de Naruna Costa fazer aniversário.

Um comentário:

Javier Luis Cobaleda disse...

És tremenda esta mulher, tem umas qualidades artísticas excepconáis, adoro...