quarta-feira, 9 de setembro de 2009

A vereda da dor

Para Anderson Siqueira


Foto: Arne Karlstad
Eu não sentia a vida em volta envolta em dor, enquanto procurava o lugar exato onde Edvar Munch pintou O Grito. Mas a comoção me assolou assim que pus os pés naquele ponto marcante da pintura universal.
Estava na capital da Noruega já há uma semana. Havia resolvido não recorrer a guias turísticos. Perguntei (com a ajuda da norueguesa Tessa) a algumas pessoas do povo se sabiam a localidade onde o pintor recebeu a inspiração. Ninguém sabia. Mas todos conheciam o quadro, que divide com a Monalisa a glória das duas pinturas mais famosas do mundo.
Achei o local junto com meu amigo Arne Karsltad, um norueguês criado no porto de Santos (SP).
Repare na paisagem de fundo da foto acima. Lá embaixo é o fiorde de Oslo, visto do bairro de Ekeberg, onde “morei” de 26 de julho a 2 de agosto últimos. É o mesmo cenário que Munch aplicou em perspectiva distorcida na sua obra máxima.
Foi ali que a Natureza lançou seu grito lancinante para a percepção aguçada de Munch captar. É perto do antigo hospício onde estava internada Laura, irmã mais nova do pintor. Ao lado havia um matadouro. Na mata próxima dali um amigo querido de Munch se suicidou.
Além de dominar as tintas, Edvar Munch manipulava as palavras com maestria. Eis o que registrou em seu diário na página do dia 22 de janeiro de 1892:

"Estava na estrada com dois amigos e o sol se pôs. De repente, o céu ficou vermelho-sangue, e senti o frescor da tristeza... As nuvens sobre o fiorde gotejavam sangue. Meus amigos seguiram seu caminho, mas eu fiquei tremendo, com uma ferida aberta no peito... Ouvi como um grito extraordinário atravessava a natureza".

5 comentários:

Ana Paula disse...

Ola David!

O Anderson está sem palavras, diante desse seu texto...(Logo ele te dirá o porque)
E eu... estou emocionada, com lágrimas nos olhos...extasiada diante da profundidade das suas palavras, e de suas experiências em terras tão longinquas, e sentimentos tão conhecidos, e que ainda atormentam tanto o ser humano.

grande beijo

Ana Paula Medeiros

Mira disse...

Diante da magnitude do texto e da ilustração minha iformação parece pequena, mesquinha...
Nessa mesquinhez,quero convida-lo para assistir no sábado o programa Assembléia Popular.
Na TVA é canal 66 e na net canal 13
Uma coisa de lamentar, por coincidência eu passava por ali e resolví assistir a gravação do programa que vai ao ar nos sábados ao meio dia....
Um professor de história de Itapecerica, aquele que foi candidato a prefeito e apoiou um candidato a prefeito de Taboão da Serra....Está sempre sapeando pela Câmara Municipal de Taboão...
O cara deu o maior vexame.
Ele debateu com alguns pais e o resultado foi uma lástima para a cidade de Itapecerica...
Queria muito que o amigo assistisse...
A escola onde ele dá aula é aquelas dita de excelência e elevou seu nivel de um ano para outro em quase cem por cento, ocorre que ela tirou 1,05 em 2008 e elevou seu índice para 2,06.Numa escala de 0 a 10.
Então ganhou o bônus, mas se a categoria dos professores são dessa maneira, ái de nós...
Abraços de quem ama o seu barelanches.
Mira

David da Silva disse...

Querida Ana Paula: só o Will Eisner pra desenhar minha cara tonta de emoção ao ler seu comentário e depois ver o desenho que o Anderson fez na mesma época que eu visitava o ambiente de Munch. Beijo, e até breve, viu?
Mira: vou assistir, sim. E obrigado por amar nossa modesta bodeguita! Suas informações são e serão sempre valiosas.

Esquerda! Direita ! Volver disse...

Para completar a lamúria da Mira:
Esse professor, eterno candidato é professor de história da escola estadul Sebastião de Moraes, na tão graciosa Itapecerica da Serra.
Até aí nada demais.Ocorre que ele toda terça e quarta de manhã assina o ponto e vai na Assembléia Legislativa.Toda vez que tem microfone aberto ao público ele está lá.
O pessoal da escola faz que não vê, que se livrar dele é lucro.
Prejuízo para os alunos, que pior que um professor arrogante, irritado e mal humorado é ficar sem aula de história duas vezes por semana...
Eu já tinha visto a figura...todo cheio de pose, dizendo que é de esquerda.Gostaria que ele fosse direito...que faltar do jeito que o homem falta, não tem quem aguente.
Na época de campanha ele sempre se apresenta com um boné estilo Che Chevara....
Abraços, grande David
Judith, humilde fã do bar e lanches

Anônimo disse...

"O grande barato é conhecer lugares onde seres humanos transcenderam a existência por meio da arte." Dizer mais o que? Concordo plenamente meu querido amigo, lindo!!!
Beijos,
Jussanam