sexta-feira, 25 de abril de 2014

No pequeno estúdio daquela rádio pirata

Me acuerdo perfectamente. Lembro direitinho. No ano 2007, dia 24 de junho, numa tarde de domingo, enquanto autografava seu livro,  o poeta Binho falou pra mim que pretendia percorrer o extinto caminho do Peaberu, e por ele se embrenhar nas profundezas da América Latina.
Sugeri a ele dar à sua caravana poética o nome “Expedição Donde Miras”. Mais importante que eu ter sugerido, foi o Binho ter aceitado.
Mas sou um padrinho meio que desnaturado. Apesar de ter batizado a aventura literária caminhante, esta é a primeira vez que vou viajar com a galera do Sarau do Binho (eles já fizeram três viagens a pé distribuindo versos por onde passam).
Chegando a Buenos Aires, vou buscar o contato de uma pintora que mora a 300 km da capital. Farei isto por causa da “postesia” – uma moda que o Binho inventou na década de 1990, arrancando placas de políticos dos postes, repintando-as com poemas e recolocando-as mais belas no mesmo lugar.
Ocorre que a pintora citada acima fazia a mesma coisa que o Binho. Só com um pequeno detalhe. Ela afixava placas-poemas em postes da Ilha Robinson Crusoe, no território chileno do Oceano Pacífico. Foi da entrevista com um náufrago que viveu tempos solitários nesta ilha, que o escritor inglês Daniel Defoe fez seu famoso romance. 
Descobri isto lendo o livro Um Mundo de Aventuras, de Heloísa Schürmann. Contei o fato para o Binho, e ele ficou extasiado com a semelhança. 
Escrevi para a empresa aérea que fazia a rota para a ilha, e tive por resposta não existirem mais as “postesias” naquele lugar. “Empezaron a ser derribados por el viento y luego los isleños terminaron por sacarlos todos. Los autores de estos posters fueron dos chicos argentinos que también se fueron de la Isla después de once años viviendo allí. Ella es pintora y vive en Villa Gessel y él es poeta y vive en Buenos Aires”, me relatou a dona da companhia de aviões.
Será uma honra eu apresentar o Binho ao poeta e à pintora, os três unidos pela magia de terem praticado “postesia” simultaneamente a milhares de quilômetros uns dos outros, sem saberem da poética coincidência.

Cooperifa antes do parto
Como diz o título dessa postagem, foi no pequeno estúdio de uma rádio pirata daqui de Taboão da Serra que eu apresentei o poeta Sérgio Vaz ao seu colega de letras Marco Pezão.

Eu fazia o rádio-jornal e a cada edição convidava um taboanense ilustre – preferencialmente os ilustres anônimos, que fazem a verdadeira riqueza humana desta cidade. O Pezão era o cronista esportivo daquela programação.
Da amizade dos dois, da qual sou feliz patrocinador, foi gerado o movimento literário que tomou conta da periferia da Grande São Paulo. E que agora vai cruzar a fronteira Brasil-Argentina.
É a literatura feita pelos próprios habitantes das quebradas da metrópole paulistana como convidada de honra da 40ª Feira Internacional do Livro de Buenos Aires.
A invasão literária dos sarausistas de Sampa vai se dar em duas etapas. De 28 de abril a 4 de maio: Cooperifa, Sarau do Binho, Sarau A Plenos Pulmões, Slam SP, Sarau do Burro, Poesia Maloqueirista, Sarau Suburbano, Práçarau, Sarau A Voz do Povo.
De 5 a 11 de maio: Coletivo Perifatividade, Sarau Oquedizemosumbigos, Sarau Elo da Corrente, Sarau da Brasa, Quilombaque, Encontro de Utopias, Sarau dos Mesquiteiros e Coletivo Marginaliaria Ksc.
PROGRAMACIÓN
Todas as apresentações se darão no ESPACIO SAN PABLO
28 de Abril
18:00 a 19:00
Encuentro con “Cooperifa” y otros colectivos.





29 de abril
18:00 a 22:00
Sarauzão colectivo y presentación de la antología: “Saraus: movimiento/literatura/periferia/São Paulo”.

30 de Abril
18:00 a 19:00
Sarau A Voz do Povo/ Sarau a Plenos Pulmões/ Práçarau O Sarau
19:00 a 20:00 Slam da Guilhermina

01 de Mayo
20:00 a 21:30 Sarau do Binho
21:30 a 22:00 Sarau Suburbano Convicto

02 de Mayo
17:00 a 18:30 Menor Slam do Mundo/Sarau do Burro

03 de Mayo
13:30 a 14:30 ZAP! e SLAM
19:00 a 20:00 Poesia Maloqueirista e PoéticaÓtica


Mais informações na próxima atualização do blog.

Nenhum comentário: