quarta-feira, 29 de abril de 2009

Escola de Taboão é a melhor do Estado de SP

Meu amigo Camilo da Silva Oliveira é diretor da Escola Estadual Lucia de Castro Bueno há mais de 20 anos. Sou testemunha do seu compromisso como Educador. Já fiz várias reportagens sobre os projetos educacionais dele. E, principalmente, sou pai de ex-aluna da escola dirigida pelo Camilo.

Ele é um educador que revoluciona sem grandes alardes, sem muita farofa. Os resultados são eloquentes. E a E. E. Lucia de Castro, localizada no bairro Pq Pinheiros, no centro geográfico de Taboão da Serra, acaba de ser apontada como a melhor da rede pública do ensino do Estado de São Paulo.

Na escola dirigida por Camilo não tem essa de aluno mal de nota passar de ano. Com a coragem dos que vieram ao mundo para ensinar, Camilo rompeu com o sistema de ciclos imposto pela Secretaria da Educação há uma década:

"Os alunos têm todas as chances: reforço fora do período de aula, carga adicional de leitura e dever de casa. Há uma cobrança para que os pais o ajudem, com a assinatura de um compromisso. Depois de tudo isso, se as ações se mostrarem infrutíferas, discutimos com os pais a possibilidade de retenção, feita geralmente de comum acordo", explica o diretor, Camilo da Silva Oliveira. "Tenho compromisso com a minha comunidade e com a satisfação dos pais. Eles querem uma escola vencedora e a Lúcia é assim."

Todos os funcionários dirigidos por Camilo receberam o bônus máximo de desempenho pelo cumprimento das metas estabelecidas pelo governo estadual.

A Escola Lúcia de Castro Bueno fica na esquina da Av. Paulo Ayres com R. Mário Latorre, ao lado do Fórum de Taboão da Serra.

20 comentários:

Anônimo disse...

É bom saber que a educação nessa escola é levado a sério, e seria muito melhor se isso ocorresse em todas!
"Eduquemos as crianças, e não será necessário castigar os adultos." (Pitágoras)

Anônimo disse...

Parabéns Taboao, Parabéns Diretor Camilo!!!
O Brasil precisa de pessoas assim , nao se pode contruir uma grande nacao sem educacao!
Jussanam

Cremilda Estella Teixeira disse...

QUEM TEM MEDO DA DEMOCRACIA ?

A escola pública de São Paulo vive um regime politico diferenciado.
A escola pública não ensina nem o mínimo.Exemplos de corrupçao, truculência e impunidade são aos montes.
Não respeitam as leis.
Que tipo de cidadão a escola pública forma se não os prepara para o exercicio da democracia?
O Diretor confunde democracia com bagunça.Acha que a educação só combina com repressão, só porque dá uma boa rima?
Como se pode formar cidadão conciente e pronto para exercer plenamente a cidadania que é o exercicio de direitos e deveres, se dentro da escola em nome da disciplina ele só recebe maus exemplos e só tem deveres?
Opinião e expressão mesmo, que é um dos pilares da democracia, aluno não tem mesmo....
Hoje estava na escola excludente, tida como a melhor de São Paulo, Escola Estadual Lucia Castro Bueno, a reportagem da Folha de São Paulo.Ouvindo a direção e os alunos bonzinhos, os conformados.
Os rebeldes, quase não resistem ali.Aqueles alunos contestadores que não aceitam humilhação e desaforo sem questionar e responder, a escola chama os pais e os "convencem" a tirar o aluno de lá.
Os alunos que consegui conversar se queixam de uma professora que não explica nada direito e dá um montão de lição de casa.Aluno que se vire para aprender em casa, que depois tem que apresentar tudo certinho.
Lição de casa é para fixar a lição, não para aprender o que não se aprendeu na sala de aula.
A professora vira de costas para a sala, e se ouvir um ruido, ela reclama " estou ouvindo vozes." Ai daquele que conversar ou que se distrair.
Ali é a lei do cão mesmo....
Muitos pais gostam e confundem autoritarismo repressão e truculência com disciplina.
O diretor sabe muito bem a diferença entre Democracia e Ditadura, mas por conta da impunidade e sabe que nunca vai ser cobrado, ela declara para o Jornal Agora que Democracia não se aplica no ensino, que aluno tem que ter disciplina.
Com uma definição dessa, é fácil saber de que forma ele dirige a escola que chama " minha escola."
Acabo de entrar na escola depois de conversar com alguns alunos e ouvir as queixas da ditadura da escola.
Os repórteres da Folha de São Paulo estavam lá.Não ouviram os alunos queixosos....
Estavam lá para jogar confeti no diretor com certeza....
Mandei um bilhete dizendo que estava lá, perguntando se iam entrevistar os alunos que tinham reclamações a fazer.A funcionária que se prontificou a entregar o meu bilhete, voltou dizendo que os repórteres tinham saido pela porta dos fundos.
Não acreditei muito.De uma escola onde o diretor declara para a imprensa que a Ditadura não combina com educação, com certeza não ia deixar os jornalistas ouvirem os alunos e nem os jornalistas estariam interessados, caso a intenção deles fosse agradar a corporação dos professores o que é muito comum.
O aspecto da escola é sombrio, paredes escuras e silêncio, um silêncio que não combina com um lugar onde estão centenas de adolescentes.Normalmente são barulhentos e riam alto, ali não
Era o retrado da ditadura escolar....
Vai ver que esse diretora também acha que alegria não combina com disciplina, se ele não gosta de democracia.Democracia tem a ver com liberdade e liberdade é alegria é burburinho.
Tudo seco, estranho, silencioso, pessoas irritadissas, alunos pedindo informaçao muito pressurosos, meio temerosos....
Imagina, essa é a melhor escola do estado de São Paulo..

http://cremilda.blig.ig.com.br

Mauro disse...

Mais um ditadorzinho na escola de Taboão da Serra

A divulgação das notas do Enem revela o mapa da exclusão escolar e também desnuda vários diretores aprendizes de ditadores.
As escolas autoritárias já estão cacarejando os seus "bons resultados", numa completa manipulação para enganar a sociedade brasileira... Tem até diretorzinho-ditadorzinho estufando o peito e dizendo: "A democracia não se aplica ao ensino. Os alunos têm que aprender a ter disciplina" (in "Melhor Escola tem diretor durão", Jornal Agora São Paulo, 30/04/2009).

Como toda organização autoritária, a regra é esconder os dados mais relevantes. Por exemplo: não cita o nível sócio-econômico dos alunos, não fala dos alunos que fazem "cursinhos particulares" e nem tampouco fala dos alunos que só tem suas dúvidas esclarecidas em casa e não na escola...

A imprensa deveria comparar as notas do ENEM com outras notas e indicadores (Saeb, Idesp etc).
A EE Professora Lucia de Castro Bueno teve nota 4,42 na 3º série do ensino médio (IDESP 2008 - veja aqui)... mas apenas 29 (!) alunos fizeram a prova...
Já no caso do ENEM, A escola teve a participação de 141 alunos, de um total de 432 matrículas...

O Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública sempre alerta que o ENEM não serve para dizer quais são as melhores ou piores escolas, pois além de não ser uma prova obrigatória para todos os alunos, ainda tem professores que desestimulam os alunos mais fracos a prestarem o exame. Essa distorção dos resultados impede que seja feito um ranking.

Mauro A. Silva

comando de greve SJC disse...

Ronda Escolar: Controle e Biopoder na Escola estadual paulista

Na Escola Ana Candida da Barros Molina, em São José dos Campos, no dia 16 de abril de 2009 polícia entrou na escola e revistou todos os alunos, em busca de um celular. A própria direção da escola no início do ano disse que não era de sua responsabilidade o sumiço destes aparelhos, porém agora ela permite a entrada da PM para, de forma abusiva, intimidar os adolescentes. Há vários relatos de alunos de abusos cometidos pelos policiais, como insinuações, assédio e ofensas, desrespeitando o estatuto do adolescente, chamando os alunos de "marginais" e coisas do tipo, demonstrando seus despreparos. Imagine você, um corredor de escola com todos os alunos sendo revistados , humilhados e assediados pela polícia militar de José Serra, que belo retrato para sua campanha eleitoral. Muitos Professores (tão incompetentes quanto os PMs) apoiam esta militarização da escola Pública, da forma mais ignorante possível. Na verdade aplaudem suas próprias limitações enquanto educadores, e olha que até uma professora que foi revistada! Enquanto o professor aburguesado e racista mata o cidadão durante os anos na escola, o desestimulando, separando-o, rotulando-o e discriminando-o, os esquadrôes terminam o serviço e matam de uma vez só, quando estes estão nas ruas.


Em São José a Polícia Militar possui um projeto voltado paras escolas chamado "Fanfarra nas Escolas", onde alguns alunos participam de uma banda com formação militar, sendo adestrados por dois PMs, e colocados em ordem unida, marchando pelo pátio como robozinhos, comprovando o papel controlador e limitador da escola contemporânea, e convergindo com a instituição militar. Quem conhece a obra "Vigiar e Punir" do filósofo francês Michel Foucault , vê o exemplo vivo da sua teoria do biopoder acontecendo nas escolas paulistas hoje. O mais engraçado é que, enquanto a proposta curricular da secretaria da educação fala em ensinar "autonomia" para os alunos, que ele aprenda a fazer escolhas, com liberdade, e livre arbítrio, a prática pedagógica na realidade é a construção de seres acéfalos e submissos pelo medo, prontos para obedecerem ao toque de uma corneta militar ou o apito da fábrica, os alunos nas escolas paulistas são tratados como ratos dentro de um laboratório civilizacional capitalista. Esta é a cidadania que a escola pública do José Serra passa para os adolescentes, ensinando eles a obedecerem e a aceitarem todas as agressões, inclusive o próprio desrespeito ao código de defesa da criança e do adolescente por parte destes PMs, que hora aparecem na escola para ensinar a marchar com a fanfarra, hora para dar tapão na orelha. Estamos formando verdadeiros "Laranjas Mecânicas".

A degeneração das funções do Estado chegaram ao ponto absurdo da Secretaria de Segurança, através da PM, formular projetos para as escolas públicas, que é esta Fanfarra "normalizadora" e adestradora, demonstrando a interferência da Secretaria de Segurança Pública sobre outra, a da Educação.
E o que é o mais engraçado, em São José dos Campos, quem andou fazendo a segurança pública, no último mês, interrompendo o tráfico de drogas na região, não foi a Polícia Militar, mas o Exército, aquela tal força armada paga para defender as fronteiras. Existe coisa mais ridícula do que a realidade sócio-política brasileira, com as instituições atropelando as áreas de atuação das outras ? O Exército intervindo na segurança pública e a PM aplicando pedagogia conservadora e normalizadora na Escola Pública.

Daqui a pouco não serão mais professores que darão aulas e sim os robocops com suas fardas azuis e armas na cintura. Com uma arma na cintura fica facil dar aulas, não é ? Mas isso não é ser professor. Afinal de contas, como Foucault demonstrou, a escola e a instituição militar servem nada mais nada menos, para controlar corpos disciplinados, espacialmente localizados e com determinados potenciais a serem desenvolvidos, a obediência e a força mental e física para a produção fabril capitalista. Na proposta curricular do Estado de São Paulo, está lá, bem claro, que o objetivo é "preparar para o mercado de trabalho". Estamos formando alunos que não passam de ferramentas e automatas (robôs) para a produção capitalista, prontos para explodirem em futuras revoltas, humanidades e inteligências, que a escola estadual paulista, e a sociedade do dinheiro como um todo não reconhece e nem consegue compreender.

Anônimo disse...

Uma cidade cujo orgulho é um Diretor que declara púbicamente que democracia não combina com disciplina, é uma pobre cidade.
Quem disse que não ???/

Educaforum disse...

03 Maio 2009
Mídia nota zero - A série - I


Nada pode ser pior, em um país dito democrático, do que uma mídia desinformada e preguiçosa, para não dizer dependente das verbas públicas para sobreviver ou manter o padrão de vida de seus editorialistas, chegados a um bom charuto e whisky 16 anos...


No Brasil, não existe jornalismo investigativo na educação. Quem manda na mídia são os sindicatos das categorias "docentes", que manipulam os meios de comunicação a bel prazer.


Apenas um exemplo, entre os que daremos durante esta nova série, que promete ser longa:


É de grande interesse da classe "docente" acabar com a progressão continuada, que dá muito trabalho. Não que ela seja efetivamente praticada, ela está apenas no papel, mas "pegaria mal" para dirigentes e supervisores de ensino, diretores de escola, coordenadores "pedagógicos" e professores, se "um dia" a mídia finalmente investigasse e divulgasse o descalabro que é o sistema de ensino de modo geral: planejamento deficiente e mesmo assim ignorado pela maioria dos professores, 25% em média de aulas vagas, recuperação de alunos inexistente ou ineficiente, professores entrando em sala de aula com até meia hora de atraso, bibliotecas fechadas e... que alunos e pais não se atrevam a reclamar: é perseguição ou expulsão na certa!


(Calma, srs. professores: exceções existem e estamos sempre aqui para aplaudi-las! Mas o IDEB e o IDESP confirmam que A MAIORIA DAS ESCOLAS DO PAÍS ensina mal.)


Então a "estratégia" é a seguinte: divulgar meia dúzia de escolas "fortes", aquelas que escolhem seus alunos a dedo e "puxam" a matéria. Se o aluno não entender, que a família se vire para pagar professor particular (afinal, é para isso que essas escolas escolhem os alunos, além de as famílias poderem pagar altas taxas de APM, cobradas religiosamente). Nessas escolas, o diretor bate no peito ao falar "minha escola", não admite a entrada de alunos sem uniforme e convoca o Conselho para expulsar os indesejados. Essa "meia dúzia" de escolas não podem ser tomadas como escolas "padrão", pois são na verdade excludentes e preconceituosas. Trata-se, efetivamente, de "escolas publicas de classe média", ou melhor, de "escolas semiparticulares ilegais", devido às altas taxas de APM que os pais são convidados a pagar, o que exclui automaticamente os alunos mais pobres.


Mas quem, no Brasil, está interessado em efetivar o que está na Constituição: uma escola pública de qualidade PARA TODOS? Quando, finalmente, a repetência for reconfirmada em todo o país, será o triunfo da classe "docente" preguiçosa e incompetente, que se livrará da sua responsabilidade com apenas uma canetada: REPROVADO! No ano seguinte, o aluno que permanecer na escola vai "aprender" o mesmo que no ano anterior e, no subsequente, vai levar o pontapé final para a marginalidade.


Se os podres poderes públicos do país estão, principalmente, interessados em manter a ignorância da população, a mídia também não fica atrás.


Vejamos então a preguiça e a malemolência do Jornal da Tarde em seu editorial de hoje, Escola bem avaliada reprova no meio do ciclo, que exalta uma "escola pública de classe média" como se seus resultados positivos no Enem fossem indicativos de qualidade, quando TODOS OS CIDADÃOS MINIMAMENTE INFORMADOS SABEM QUE ESSE EXAME NÃO REFLETE A QUALIDADE DO ENSINO MÉDIO, POR SE LIMITAR A UMA AMOSTRAGEM MANIPULADA PELAS ESCOLAS. É muito cômodo, para o jornal, fazer coro ao sindicalismo, que quer acabar com os ciclos antes que se comprove que o fracasso é devido à incompetência e preguiça da classe "docente" e seus dirigentes.


Na brilhante análise de nosso amigo Mauro, o Jornal da Tarde perdeu uma boa oportunidade de publicar uma "receita de bolo" em lugar desse editorial, que valoriza a postura ditatorial do diretor dessa escola. O mesmo diretor declarou a outro jornal, o Agora São Paulo, que "a democracia não se aplica ao ensino".


Este exemplo é realmente típico da tendenciosidade e preguiça da mídia: em vez de buscar fontes de informação variadas para investigar a "qualidade das escolas pelo Enem", um jornal copia do outro... Pra que aprofundar o assunto? Pra que informar que o Enem é um exame facultativo e que as escolas desestimulam os alunos fracos e incentivam os melhores a fazê-lo?... Pra que investigar como as escolas trabalham em seu dia-a-dia?... E isso seria tão fácil! Bastaria conversar com os alunos entrando e saindo do portão sem se identificar como jornalista, e fazer perguntinhas básicas:
Quantos professores faltaram hoje?
Quando a aula é vaga, para onde vão os alunos?
Durante as aulas de educação física o professor fica com os alunos na quadra?
Quais professores costumam chegar no horário?
Em que dias a biblioteca da escola está aberta para os alunos?
As aulas são claras?
Os professores explicam as dúvidas?
Existem aulas de recuperação? Elas funcionam?
O coordenador pedagógico atende os pais e alunos?
O diretor da escola costuma estar presente e atender os pais e alunos?
Há alguns anos, jornalistas da Rede Globo e da Folha de São Paulo nos pediram "estatísticas" que confirmassem os 25% de aulas vagas que os alunos da rede pública "recebem" durante o ano letivo. Respondemos que cobrassem essas estatísticas do INEP(t), para o qual cansamos de pedi-las. Não o fizeram. Sugerimos então que distribuíssem para seus funcionários operacionais (vigias, faxineiros, motoristas) o formulário de controle de aulas vagas do Site PaisOnline. Também não fizeram. Enfim: a verdade incomoda!

educaforum.blogspot.com

Anônimo disse...

O pessoal está comparecendo em massa não ???
Que será que deu nesse povo ?
Depois vão dizer que o paulistano não se interessa pelo que acontece na escola pública.

José Roberto .Zero disse...

A covardia da Folha e a sua defesa da ditadura escolar


A reportagem da Folha de São Paulo não causou surpresa. Para quem acha que a ditadura militar foi "branda" e publica uma falsa ficha policial na primeira página, não é surpresa fazer uma entrevista fajuta na qual elogia um diretor autoritário que não acha importante a democracia na escola pública.

A ditadura escolar seria cômica, se não fosse trágica
O jornalista Fabio Takahashi entrevistou o diretor-autoritário da EE Lúcia de Castro Bueno e escreveu uma frase que é uma verdadeira piada de mau gosto: "Camilo Oliveira, diretor da melhor escola estadual de SP no Enem..." (in "Governo do Estado só me atrapalha", Folha de São Paulo, 04/05/2009).
- Dos 132 alunos matriculados na 3ª série do ensino médio, apenas 38 fizeram a prova do ENEM...
- Dos 32 alunos do 3º do ensino médio regular, apenas 21 fizeram a prova...
Qual seria a nota da escola se todos os alunos fizessem a prova?


A grande mentira propagada pela Folha de São Paulo
Além de piada, é uma desinfomação e má prática jornalistica utilizar a nota de apenas 21 alunos para dizer que a EE Lúcia de Castro Bueno é a melhor escola estadual de SP...
A nota média da escola é 52,11... (tem que incluir também os alunos da Educação de Jovens e Adultos. Ou estes alunos não estão sob a direção do diretorzinho-ditadorzinho?)
Mas o jornalista comete a fraude de escolher apenas a nota de 21 alunos dos 132 matriculados na escola!
Bastaria uma simples comparação entre as escolas estaduais "melhor colocadas" para constatar a enganção que é feita na EE Lúcia de Castro Bueno. Vejam que nas outras escolas é grande o número de alunos matriculados e dos que prestaram o ENEM:
- EE Rui Bloem: 568 matriculas; 407 participante no ENEM; nota média: 55,46
- EE Alberto Levy: 740 matriculas; 203 participante no ENEM; nota média: 52,17
- EE Antonio Alves Cruz: 349 matriculas; 73 participante no ENEM; nota média: 52,29
- EE Brasilio Machado: 334 matriculas; 194 participante no ENEM; nota média: 52,42
Será que os "21 melhores alunos" da EE Lucia Castro Bueno têm notas maiores do que as notas dos 21 "melhores" da EE Rui Bloem? ou da EE Alberto Levy? Ou da EE Brasílio Machado?
Observação importante: Estas escolas da capital também são autoritárias e excludentes, mas não têm a audácia de papaguear sua ditadura na imprensa...
Como é que um grande jornal como a Folha permite uma publicação totalmente enganosa? Como é que se pode qualificar uma escola como a "melhor escola" sabendo-se que esta escola tem apenas uma classe com alunos da 3ª série do ensino médio? E esta classe tem apenas 32 alunos!!! E somente 21 deles fizeram o ENEM...

Viúvas da Ditadura
Já que o jornalista Fábio Takahashi e a Folha de São Paulo não escolheram a EE Lucia Castro Bueno pelo seu "bom desempenho acadêmico", podemos inferir que a escolha foi para fazer propaganda do seu diretor-autoritário e sua língua-solta contra o Estado Democrático de Direito.

Veja também:
- Confira o desempenho de todas as escolas de São Paulo no Enem 2008 (Portal Estadão)
- Enem 2008 - Notas Médias por Escolas dos Concluintes do Ensino Médio. (Portal INEP)
José Roberto Alves da Silva
N.E.P.P.A.L
zero@yahoo.com.br

Vilma Rodrigues disse...

MInha amiga do Taboão disse feliz que a Escola Lucia de Castro foi considerada a melhor e enfatizava, mesmo sem ter conhecimento da podridão que a escola era boa, que a filha de sua amiga estudava lá.
Enfim, argumentei, mas como ela muitos acreditam no que a mídia coloca.
A mídia não poderia ser pior do que do que a politica do país, mas é.
Não consegue interpretar que o tal diretor parece ser um ditadorna escola. Pra os pais e para quem lê ou ouve a noticia o importante é a nota que também eles não sabem como é adquirida.
Se a Democracia não se aplica no ensino como a escola pode ser uma instituição livre, espontanea no qual a liberdade de expressão seria o reflexo de uma democracia. Manter as pessoas ignorantes, sem falar a escola contribui.
Instituir um sistema de Ditadura já conseguiram, porque a mídia ajuda e os pais muito deles vindo de uma educação também fechada e sem comunicação acabam aceitando e concordando com tudo.
Onde a Constituição, ECA _ Estatuto da Criança e Adolescente não é divulgado, um país onde a leitura não é praticada, mas um Big-Brother, um futebol a maioria entende, mas levantar a Bandeira para fatos importantes como Educação, Saúde parece que a população não tem o mesmo pique, então a politica, sacanagem e violência tomam conta.
Democracia não se aplica no ensino? Lamentável. Um diretor que tem cabeça de gente violenta, pois isto é uma violência. O Diretor ainda consegue espaço na mídia.
Os poderes estão na mão de quem não aplica a democracia.
Conversem com os alunos, pais deveriam ir até a porta da escola e ver o que acontece.
A ESCOLA LUCIA DE CASTRO DEVERIA GANHAR COMO SLOGAN - ESCOLA PÚBLICA QUE NÃO SE APLICA A DEMOCRACIA..... E ISTO DE LONGE NÃO É O MELHOR ENSINO.

JUREMA DE CARVALHO LOPES disse...

Até dá para entender o jornalista da Folha de São Paulo, Fabio Takahashi, atender as ordens do seu chefe de reportagem.
A imprensa sempre agradando o cliente.Afinal a o Serra gasta quase cinco milhões de reais em assinaturas da Folha e do Estadão, mais os outros agradinhos.O jovem jornalista não tem nem idéia do que é uma ditadura.Com essa combinação, o diretor se sentiu a vontade para declarar que sua escola tem regime de ditadura.
Que a maioria das escolas ditas de excelencia são uma fraude, já cansamos de mostrar.Que as escolas são uma colônia feudal todos sabem.A novidade foi o diretor ter o peito de admitir que não respeita o Estado de Direito e o Regime Político no país.
Não respeita a lei e acha que o estado atrapalha, que não respeita também as diretrizes da Secretaria de Educação.
Do jeito que ele faz, é fácil ser ditador.Os pais bancando...
Um empregado que se insurge contra o gerente,deve pedir as contas e montar seu próprio negócio.
O ditador, quer manter uma escola ruim, covarde excludente, quer ser independente, não gosta da democracia, mas toda verba da escola incluindo o salário dele,vem do povo, que ingenuamente votou no Governador.
A escola Estadual Lucia de Castro Bueno,tida como melhor de São Paulo nos dá uma idéia de como são as outras.
Se o nosso governador tiver um pingo de respeito ao contribuintes, aos pais e alunos, é hora de fazer uma severa intervenção nessa escola.
A começar pelo Regimento Interno e o documento onde obriga os pais a assinarem, aceitando todas as normas da escola.Normas ilegais e imorais.Normas que fariam Hitler corar de vergonha.
Uma hora o Governador tem que começar a fazer uma faxina nas escolas que estão caindo de podres.Pode começar por ali.
Nós agradecemos. A DEMOCRACIA AGRADECE.
Vamos cobrar.
fonte:
http://cremilda.blig.ig.com.br

Aviso disse...

amanhã, quarta feira entre 7 e 8 horas no programa Tribuna da Cidade.
Rádio Terra AM 1330 kz
Tem um comentário sobre a Escola Lucia
Como o diretor é seu amigo, achei que devia avisar e acho que você gostaria de ouvir.
Ah...e no sábado entre meio dia e uma da tarde, sai na TVA canal 66 e na net canal 13.
Alguma coisa sobre esta escola
Se não tiver tva ou net é só acessar
ALESP e assistir
abraços
de olho...

Xará. disse...

David, faz aí um tópico baseado nas mensagens ....
Dá um bom caldo...
Vou esperar...
O pessoal do movimento comunidade de olho na escola pública está comparecendo...vai, responde...

Anônimo disse...

A Globo,como sempre na posição de avestruz.Mostra com ar festivo e na voz gritante do Márcio Canuto a escola excludente, Escola Estadual Lucia de Castro Bueno.Cujo diretor ditador declarou que democracia não se aplica a disciplina
Escola onde só permenecem alunos bonzinhos.Adolescente muito bonzinho forma numa escola dessa, não vai contestar nada lá fora.
Para a Globo está bom, para quem está no poder também.
Essa escola tem um Regimento Interno que é uma afronta a Constituição Federal,ao ECA e a democracia.
Só para dar um pequenino exemplo de vilação de leis e afirmada na reportagem a escola "suspende aluno" como medida disciplinar.
Aluno bonzinho e mãe elogiando a escola
Isso sempre tem e sempre teve.
Até nas piores escolas tem mãe que elogia a direção são amigas da diretora e acham que se a escola for mal é por culpa dos alunos.
Em escolas de excelencia, são dadas muitas lições de casa.As provas são dificílimas.Lição que não foi dada na classe ou mal dada.Aluno tem que aprender fora.Paga professora particular ou
frequenta cursinhos.Isso tapa um pouco o buraco, mas não se iguala a escola particular. nem de longe.
Os pais que não podem pagar uma escola particular, se iludem.Até declaram que é essa escola é igual a escola particular.Vão criando em volta da escola a fama de escola forte.
O diretor da escola Lucia Bueno de Castro faz até uma entrevista para resolver se aceita ou não o aluno .
Claro ele como ditador pode decidir e decide até quem sai.
Não sendo aluno bonzinho,não fica, que ele não quer perder tempo com aluno rebelde e questionador.Vai lá querer formar um líder que em curto prazo pode lhe cortar as asas e a mordomia de um ditador
A Globo sabe que se houvesse o regime ditador da escola, em todo o Brasil a imprensa seria a primeira a ser prejudicada, mas se a escola ditadora fora aluno conformado, a Globo pode junto com o Poder tirar vantagem....Um imprensa falida moralmente num pais onde um diretor-ditador reina absoluto.
Esquece a imprensa de sua principal função que é informar.
Isso é adubo para a erva daninha da corrupção.
A Globo mesmo já divulgou que quanto mais ignorante o povo, mais aceita a corrupção como inevitável.Se hoje está do lado da repressão assim descaradamente, escancaradamente, ela deve estar na ilusão que estará sempre amparada pelo poder no estilo
SE TEM PODER SOU A FAVOR...

Janete disse...

é né???
tem amigo da onça pedindo para você colocar o seu dedinho nesse vespeiro....
o blog da Cremilda escaralhando a rede globo e os comentário pegando fogo!

Lucas Rita disse...

De chorar mesmo foi a declaração do aluno bonzinho com a frase feita
TEM QUE RESPEITAR PARA SER RESPEITADO.
Nossa ! coitadinho.Se ele aluno um dia for para uma faculdade e aprender a pensar vai ficar com vergonha....
Imagina se numa escola como a Lucia o aluno sabe lá o que é ser respeitado???
Alí aluno respeita, obedece e não questiona.
E ainda a mãe declarando que a escola e igual escola particular?
Onde mulher???
O orgulho falando alto, não pode pagar escola particular e fica igualzinha a história das uvas." estão verdes"
Lembrei muito da fábula da rapoza.
Bem, achei bom que o blog da Cremilda abriu essa discussão....
Ela também por falar de fábula, me lembrou o guri da fábula " O rei está nú"...
Precisa a dona Cremilda para esculhambar o Cesar Callegari e esse diretor ditador....
A Cremilda é uma velhinha, gordinha e baixinha que vendo na rua você não dá nada por ela...

Prof. Christian disse...

Não sde pode simplesmente unir os dados da EJA com do Ensino Regular. Inclusive estacomparação é errônea em virtude da diferença das ênfases destes cursos.

Para isso foi montado uma lista de todas as escolas com a EJA e o regular de taboão (nenhuma particular ministra o curso na modalidade EJA).

veja a lista em O taboanense
http://www.otaboanense.com.br/v3/ler2.php?id=1042

Sofhia Ferretti disse...

Caro Professor Chistian:
Infelizmente eu lí tudo que foi divulgado´, lí a entrevista do jornal Agora, da Folha e assisti com muita tristeza a reportagem da Globo.
De qualquer lado não tem saída.
EJA, ensino regular, fundamental e médio
Enem e Saresp são fraudes escancaradas.
O Portal Taboanense tenta tapar o sol com a peneira.
O David, está de lado e democraticamente mostrando os posts e pronto.
Não tem jeito, a escola pública faliu.
Estamos vivendo a maior crise moral da história do país.
A escola pública é a mais atingida nesse mar de corrupçao e impunidade que o páis está mergulhado.
Uma pena, mas é assim...

Curió disse...

David, peguei mais este lá falando da Escola Lúcia...
Vixe....
----
Ontem o Jornal Nacional falando do ENEM,entrevistou uma aluna da escola SEMI-PÚBLICA.Entrevistou e aprovou a fraude
Temos a escola PARTICULAR, que o pai paga a mensalidade e o professor tem obrigação de ensinar, de preparar o aluno inclusive para o vestibular e para a vida de modo geral.
Depois vem a PÚBLICA, onde o professor não é cobrado, não tem fiscalização nenhuma.Não se acha na obrigação de ensinar nada.
No meio desses professores cheios de privilégios, mimados e exaltados, incapazes e inoperantes, convivem os educadores. São poucos os educadores, mas estão presentes nas escolas e nada ou pouco podem fazer para reverter essa situação escabrosa.
Nasceu então a escola SEMI-PUBLICA, chamada hipócritamente de escola pública de excelência.Uma escola mentirosa e excludente.
Um exemplo é a escola considerada a melhor escola do Estado de São Paulo,ESCOLA LUCIA DE CASTRO BUENO, onde tem sempre regime ditadorial e os alunos são escolhidos e selecionados pela direção
Alí aluno muito pobre não entra.Só aqueles que tem uma situação socio econômica que lhe permita pagar cursinhos fora, professoras de reforço,altas taxas de APM.São alunos cujos pais não podem pagar escola particular e se conformam com essa.Juram de pés juntos que é uma boa escola.Levados pelo orgulho ou pela ignorância ou pelas duas coisas.Não podem admitir que não tem condiçoes de pagar escola particular, mas procuram na medida do possivel cobrir o buraco da escola pública com cursos fora.Essas escolas, para manter o "status" de boa escola, dão provas dificílimas que os alunos "se viram por pora" e se preparam para tirar nota.
Ontem o Jornal Nacional, mostrou uma aluna dessa escola semi-pública que declarou " na escola a gente aprende o básico, e o conhecimento a gente busca fora"
O olhar emternecido dos jornalistas para essa aluna, mostrou que a Globo abençoa esse tipo de escola.
AAAAAMÉM.

David Morato disse...

Xará
Estou viciado no blog da Cremilda.
Todo dia estou lá, todo dia tem uma cacetada diferente.
Eitcha trem bão
Agora estou me viciando no seu.
A propósito,ela não falou mais do Lucia.
Mas deu uma puta duma cacetada naquela escola que o Serra estudou
O Antonio Firmino.
A-do-rei.
Abraço